Por que vale à pena Inovar durante a crise?

Publicado em 26/06/2015 por Rosana Fernandes

Infelizmente muitas são as notícias ruins sobre a situação econômica no Brasil. Em tempos de crise, aumenta o desemprego, empresas fecham, caem as exportações, juros aumentam, a inflação decola e muitas outras notícias desanimadoras causam medo aos donos de negócios.


Em reação ao cenário incerto, as primeiras atitudes tomadas são frear a produção, diminuir custos, revisar despesas e até mesmo cortar pessoal. E uma das primeiras áreas a ser afetada inclui a inovação e desenvolvimento tecnológico.


Muitos donos de empresas, inclusive franqueadores, acabam acreditando que este tipo de investimento deve ser classificado como despesa e assim, perdem oportunidades valiosas.


Esta queda no interesse pela inovação também é comprovada pelo levantamento de “Sondagem da Inovação”, realizado trimestralmente desde 2010 pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).


Esta pesquisa é realizada em 400 empresas e em seus últimos resultados mostrou que menos da metade dos entrevistados, (47,8%) apresentou um novo produto ou processo no quarto trimestre de 2014. Este resultado é praticamente o mesmo resultado do período anterior e comprova que desde o fim de 2014 a inovação vem sendo desacelerada no Brasil.


Inovação como solução contra a crise


Quando desistem da busca por novos processos ou do lançamento de produtos, os gestores não somente aceitam, mas se entregam ao reflexo negativo da retração da economia. A inovação, que é reduzida por causa da crise, na verdade deveria ser estimulada, devido seu grande potencial de manter o negócio estratégico e competitivo.


Um bom exemplo de inovação do mercado é a empresa Natura. Ela possui um compromisso público de destinar até 3% do faturamento líquido da empresa aos processos de inovação. Com este compromisso, uma das conquistas foi a conquista 68% da receita ter como origem o lançamento de novos produtos.


No ano passado a empresa fez investimentos de mais de R$ 216 milhões em inovação e entre 2012 e 2014, o número de novos produtos pulou de 104 para 239. Estes novos produtos foram criados graças às novas parcerias abertas, acordadas desde 2003, junto com centros de pesquisas, pequenas empresas, programas com clientes e funcionários e demais formas de integração.


Este exemplo serve como fonte de inspiração também para franqueadores, pois com parcerias com seus franqueados, com todos os colaboradores da rede, com seus clientes e até mesmo com associações e grupos do setor, pode ser possível desenvolver soluções alternativas que mantenham a franquia ainda mais distante do cenário de crise.


Alternativa para ajudar na inovação


Para ajudar na revisão dos planos de inovação para escapar da crise, há muitas alternativas disponíveis, algumas delas são: a participação em fóruns especializados, como o que está sendo promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) e a busca por recursos e incentivos financeiros para investir em novos processos.


Para participação no fórum, é aconselhável acompanhar o site oficial da Amcham e ficar por dentro do calendário de eventos no seu estado. Agora se você e sua franquia estão à procura de incentivo financeiro para inovar, podem solicita uma linha de crédito oferecida pelo BNDES.


Eles criaram uma linha de crédito específica para inovação com taxas de juros correspondentes ao porte da empresa e com prazo máximo de financiamento em 60 meses. Uma ótima alternativa para estimular a criatividade e afastar sua franquia da crise.


Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Investir em franquias , Franquias , Inovação no setor de franquias , Crise Econômica , Economia e Mercado