O processo de franquear e o envolvimento do futuro franqueador

Publicado em 22/05/2014 por Adriana Vizzone

Os motivos pelos quais empresas decidem expandir por meio de franchising normalmente são os mesmos: falta de capital para expandir por conta própria, maior rapidez na expansão e  oportunidade, percebida quando um candidato a franqueado bate na porta. 


O franchising é bem difundido no Brasil. Fácil encontrar reportagens a respeito na internet, programas na televisão e revistas especializadas. O material está disponível para quem se interessar. E são muitos os casos de sucesso no setor de franquias por aqui também. O Boticário, Cacau Show, Amor aos Pedaços, para citar alguns. Consolidar uma marca e expandir através de franquia pode ser menos custoso e mais rápido do que fazer tudo sozinho, mas exige muito trabalho e algum recurso também. E esses detalhes você não encontra com tanta facilidade.


Muitos empreendedores se preocupam apenas com o custo do processo mais burocrático, composto pela criação do Contrato, da COF e dos Manuais. Esse trabalho é desenvolvido por consultorias especializadas e seu custo depende muito do que já está formalizado na empresa. O importante é destacar que essa parte burocrática não é o único custo que o franqueador terá. Muitos donos de negócios acreditam que com esses documentos podem sair vendendo franquia por aí e não funciona bem assim.


Há uma estrutura necessária para que o negócio ande no caminho certo e os franqueados formem um time de multiplicadores da cultura da marca. Sem isso todos saem perdendo: o franqueado que investiu e não viu retorno e o franqueador que deu um tiro no pé ao prejudicar a própria marca no mercado. Consultoria de campo, canal para comunicação com o franqueado, sistemas de controle e muitas outras coisas precisam ser implantadas para que a rede funcione. E isso envolve custo, com pessoal, com sistemas de informação, com tecnologia. E, principalmente, planejamento. Algo que, nós brasileiros, temos dificuldade em fazer.


Outra coisa que ninguém leva em conta ao decidir pelo sistema de franquia é que o envolvimento do dono do negócio é fundamental. Além dos recursos financeiros citados acima você vai ter de ceder tempo. Tempo para descrever os processos de forma bem detalhada. Tempo para decidir as mudanças que ocorrerão na empresa para que ela suporte bem os franqueados. Tempo para planejar. E isso consultor nenhum pode decidir sozinho. Seu negócio é seu negócio. Não adianta copiar o manual do concorrente ou de outra empresa. Você vai ter de por a mão na massa.


Criar uma marca de sucesso é muito mais do que comprar um contrato, uma COF e um par de manuais.  Envolve dinheiro sim. Tempo e dedicação também. Pense nisso antes de comprar a parte burocrática e ser mais uma marca dentre tantas disponíveis hoje. O candidato a franqueado escolhe a marca a partir do dinheiro que ele tem disponível e hoje têm muitas opções de franquia no mercado. Ganhar a disputa por novos franqueados e garantir a expansão da franquia é o que todo franqueador espera, resta saber quantos estão efetivamente alcançando este objetivo. Receita de sucesso vem nos manuais?

MATÉRIAS RELACIONADAS