Setor gráfico e setor têxtil e de confecção paulista sentem na pele a recessão técnica

Publicado em 02/09/2015 por Imprensa

Porta-vozes também estarão disponíveis para conceder entrevistas sobre o resultado da reunião do Copom, que acontece hoje, quarta-feira, 2.

· Abigraf
No segundo trimestre, a produção física da indústria gráfica sentiu com bastante intensidade a crise econômica do país. Registrou recuo de 10,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo cálculos da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), a partir da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE.


Pelos dados da CNI, estimamos que houve queda de 5% nas horas trabalhadas e 6% no emprego, na mesma comparação.


Apesar da evidente piora do ambiente econômico e da queda contínua da confiança dos empresários do setor (o índice está em 39,6 pontos em uma escala de 0-100 ante 48,3 no mesmo período do ano passado), a intensidade da queda da produção da IG surpreendeu. O setor vinha se mostrando mais blindado que a média da indúsria de transformação (-8,7%). Mas o quadro se inverteu no segundo trimestre.


Na comparação com o primeiro trimestre de 2015, descontando o padrão sazonal, a produção caiu 6,0%, enquanto que a indústria de transformação retraiu 2,3%.


Apesar do tombo, na média dos quatro trimestres, a indústria gráfica registrou queda mais modesta em relação à média da indústria de transformação: -2,9% e -6,6%, respectivamente.


“Ainda é cedo para afirmar que trata-se de uma tendência. Talvez essa forte queda do segundo trimestre tenha sido atípica, e os empresários do setor ainda estão trabalhando na realização dos ajustes necessários para diminuir os danos desse quadro recessivo. Temos uma pauta em andamento no Congresso, que contempla medidas capazes de melhorar a rentabilidade do setor, como o fim da bitributação de ISS e ICMS sobre produtos gráficos”, afirma Levi Ceregato, presidente nacional da Abigraf.


Dentre os ajustes inevitáveis realizados pelo setor, Ceregato cita o corte líquido de 4.394 postos de trabalhos formais (no mesmo período em 2014 a marca foi de 985 postos).


Os investimentos do setor também sofreram, com recuo de 20% na importação de máquinas e equipamentos no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano anterior.


· Sinditêxtil-SP
O presidente do Sinditêxtil-SP (Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo), Alfredo Bonduki, acredita que no meio de toda esta crise pela qual o País está passando, a queda do PIB e o ingresso na recessão técnica são consequências do aumento da carga tributária e da alta taxa de juros, impostas pelo governo.


“Num momento em que seria importante reduzir os custos da produção para melhorar a competitividade, o governo lança um tarifaço de energia elétrica, aumenta a carga tributária e eleva a taxa de juros para a maior taxa real do planeta, o que agrava a recessão. Prova de que tem sido impossível reagir em condições tão antagônicas, são os números do desemprego setor têxtil e de confecção paulista. Somente nos primeiros sete meses deste ano, o setor já acumula mais de 10 mil demissões”, salienta o presidente do Sinditêxtil-SP.


Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Franquias , Crise Econômica , Setor Têxtil , Economia e Mercado