Semana do Dia dos Namorados tem vendas estáveis, aponta FCDLESP

Publicado em 08/06/2016 por Imprensa

Pesquisa aponta baixas expectativas de vendas na capital enquanto interior do estado se apresenta mais otimista

Na semana que antecede o Dia dos Namorados, a FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo) aponta baixas expectativas de vendas para a data, chegando a um possível crescimento de 1% se comparado ao ano passado. Enquanto isso, o interior do estado parece mais otimista e acredita que o período pode trazer mais retorno em vendas. A pesquisa foi realizada com as principais CDLs – Câmaras de Dirigentes Lojistas do estado. Para a data, o ticket médio dos consumidores pode ser entre R$50,00 e R$150,00, sendo o setor de vestuário um dos mais promissores.


Para o presidente da FCDLESP, Mauricio Stainoff, os dias que antecedem a data serão decisivos para o varejo. “Esse período é que determinará se o varejo vai recuperar o faturamento do ano passado, que em média foi de 3% a 5%. No entanto, sabemos que o Brasil passa por um momento desfavorável para a economia e o consumo é afetado diretamente. Acreditamos que a data será mais uma de lembrancinhas”, afirma.


Em um dos centros comerciais de vestuário mais importantes da cidade, o Bom Retiro, a expectativa é que as vendas permaneçam estáveis como em 2015, ou seja, não passe dos 3%. “A perspectiva é de manter os mesmos números do ano passado, com ticket médio de R$60,00 a R$100,00. Haverá presentes, mas com valores mais modestos”, acredita o presidente da CDL do Bom Retiro, Nelson Tranquez Junior.


Dia dos Namorados no interior


Nas maiores cidades do interior do estado, a expectativa também permanece estável. Campinas e Sorocaba, por exemplo, não acreditam que haja crescimento de vendas para o período. Para a presidente da CDL de Campinas, Adriana Flosi, os presentes terão um custo menor. “Os setores que mais podem faturar este ano são os de vestuário, perfumaria e floricultura, por se tratarem de produtos de menor valor agregado”, explica.


Já na região de Jundiaí, a expectativa parece mais positiva. Para 40% dos comerciantes entrevistados pela CDL de Jundiaí, o aumento esperado é de 10%, quando comparado ao ano passado. Para outros 30% a expectativa é manter as vendas de 2015 e para mais 30% a queda nas vendas pode ser pior que no último ano. “Dos nossos entrevistados, 45% afirmam estar confiantes em relação ao resultado esperado para as próximas datas comemorativas, seguido por 28% que afirmam estar pouco confiantes e de 27% que se mostram muito confiantes”, afirma a gerente financeira da CDL de Jundiaí, Aleandra Acencio.


Em Serra Negra, importante cidade turística de São Paulo, o comércio se demonstra positivo em relação à data e a crise econômica. “As pessoas estão viajando menos para compras no exterior e fazendo mais compras no país, o que gera mais expectativa de crescimento. Nossa região é conhecida pela produção de artesanato, além de roupas de couro, o que ajuda no faturamento do comércio”, acredita o presidente da CDL de Serra Negra, Fernando Antonio Pacini Ricci.


Piracicaba traz dados mais exatos para as vendas. Na região, a expectativa é de crescimento de 1,8%, em que 81,5% das pessoas irão presentear. “Os setores mais prósperos para a data são confecções, calçados e artigos de couro, flores, perfumes e similares”, explica o presidente da CDL de Piracicaba, Reinaldo Pousa.


Dia dos Namorados no Litoral


As cidades de Santos e Praia Grande estão entre as maiores do litoral do estado e as expectativas para as vendas do comércio da região não deve ultrapassar crescimento de 3%. Para o presidente da CDL de Santos, Camilo Rey Andújar, o clima é de pessimismo. “A economia atual pode influenciar ainda mais no aumento do desemprego e no endividamento, por isso, a expectativa é negativa”, explica.


Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito!

Palavras-chaves: Franquias , Dia dos namorados nas franquias , Pesquisas , Economia e Mercado