Nunca me senti discriminada por ser mulher

Publicado em 09/03/2017 por Imprensa

Por Léa Bueno, sócia-diretora da franquia Tutores do Brasil e mãe de 4 filhos.

Sempre me incomodavam as histórias contadas pela minha mãe, filha e neta de imigrantes alemães, que seus antepassados proibiam suas filhas de finalizarem os estudos. Trabalhar então, era impensável. Acho que isso não acontecia somente com os imigrantes alemães, pois raramente se vê profissionais femininas que nasceram no início do século passado (muitas delas vivas até hoje, são nossas avós e bisavós). Algumas moças conseguiam se tornar professoras, uma das únicas profissões bem vistas pelos pais de outrora. A ideia era que a mulher trabalhasse meio período para que não comprometesse os afazeres domésticos e os cuidados com os filhos que, naquela época, eram de responsabilidade exclusiva da mulher.

O mundo que vivemos hoje é bem diferente. Meninos e meninas são criados com igualdade de condições pela ampla maioria das famílias brasileiras. A mulher pode, até por lei, escolher e exercer qualquer profissão. Tudo isso mudou porque a mentalidade das pessoas mudou. Antigamente se ouvia que não era seguro se tratar com médica. Médico tinha que ser homem! A geração que está aí nunca ouviu isso! Eles já nasceram de uma obstetra ou foram tratados por pelo menos uma médica durante sua vida. Em todos os lugares que os jovens de hoje frequentam encontram profissionais de ambos os sexos. Ninguém mais fica chocado quando uma esposa bem-sucedida profissionalmente trabalha de sol a sol e seu marido decide ficar em casa cuidando das crianças. Que bom que evoluímos!

Eu, por exemplo, nunca fui discriminada, nem veladamente, em todos os ambientes de trabalho que já frequentei. E olha que eu sou formada em Engenharia Civil, uma profissão de maioria masculina. É claro que eu levei cantadas em canteiro de obra, mas isso eles só fazem quando estão em grupo. Nas conversas profissionais individuais sempre houve muito respeito. Eu me fiz respeitar! Sempre estive atenta às necessidades deles e ouvia suas opiniões de como o trabalho deveria ser feito. Também posso dizer que fiz minha parte para que não fosse discriminada: nunca faltei (exceto quando estava “quase morrendo”) e estruturei minha vida familiar de forma a garantir que meus filhos fossem bem atendidos sem a necessidade de eu me ausentar do trabalho para cuidar deles. Ora, se a mulher pleiteia igualdade de direitos, também deve oferecer a contrapartida.

Depois de trabalhar muitos anos em empresas privadas, criei, em parceria com meu marido, a primeira e maior franquia de educação complementar do Brasil. Passei então de empregada a empregadora. Meus ideais de igualdade de condições entre os sexos, no entanto, permaneceram os mesmos.

Por exemplo, há alguns anos, uma funcionária me pediu para folgar a tarde de sexta-feira para assistir à apresentação de seu filho na escolinha, em homenagem ao Dia das Mães. Eu poderia responder um sonoro não, afinal muitas mulheres são preteridas em relação aos homens por condutas assim. Mas, ao invés disso, eu telefonei para a instituição de ensino e expliquei que fazer uma festa para as mães em dia e horário de trabalho não era correto. Se a criança fica na escolinha em tempo integral é porque seus pais trabalham e, portanto, não podem comparecer a esses eventos. Eu ainda perguntei como era a comemoração para o Dia dos Pais. A resposta? De domingo! Ao final de nossa conversa, a data da apresentação foi alterada e minha funcionária não precisou faltar.

Nossa empresa sempre incentiva que as funcionárias mães revezem com os pais o acompanhamento às consultas médicas de seus filhos. A empresa em que o pai trabalha também tem que ser solidária! E, claro, incentivamos nossos funcionários pais a fazerem o mesmo. Afinal, se o ônus de cuidar do filho recair somente à mulher, haverá um comprometimento de sua empregabilidade.

Se começarmos a cuidar desses detalhes, evoluiremos para práticas adotadas por sociedades mais avançadas culturalmente que a nossa. Na Suécia, por exemplo, pais e mães têm direito ao mesmo tempo de licença para cuidar de seus bebês. E eles podem escolher o período, ou seja, a mãe pode tirar os primeiros meses, voltar a trabalhar, e o pai tira licença na sequência, o que garante que o bebê fique aos cuidados exclusivos de seus pais o dobro do tempo! Nem todo pai brasileiro está preparado para algo assim. Creio que alguns, de mentalidade antiga, aproveitariam a licença para “sumir”. As mudanças ocorrem primeiro nas cabeças das pessoas para depois virarem lei. Devagar chegamos lá!

O capital humano é o maior bem de uma empresa. Nós, mulheres, já conquistamos um espaço gigantesco no mercado de trabalho porque provamos que podemos trabalhar em pé de igualdade com os homens. Não há lugar mais para discriminação de gênero na sociedade atual, nem de raça, cor, religião ou orientação sexual. Há uma lei de 1989 que pune com reclusão e multa a discriminação, mas mais importante que isso: é o senso comum!

Por isso, eu acredito que as mulheres devam apelar ao bom senso para que medidas de igualdade sejam adotadas no dia a dia de seu local de trabalho (e em seus lares). Mostrando que ela se preparou para exercer a função profissional a qual se propõe e não sucumbindo às dificuldades, a mulher tem as mesmas chances colocação e promoção que seus pares. Temos que continuar avançando!

Clique aqui e cadastre-se para receber informações exclusivas. É gratuito

Palavras-chaves: Franquias, Franquias de educação, Mulher empreendedora, Tutores, Mulheres Transformadoras